Translate

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

OPERAÇÃO SEM FRONTEIRAS: JUIZ ACATA PEDIDO DE RELAXAMENTO DAS PRISÕES DOS ENVOLVIDOS


Há exatos 90 dias do inicio da Operação sem Fronteiras, realizada entre as policias dos estados de Alagoas e Pernambuco, onde foram cumpridos Mandados de Prisão e de Busca e Apreensão, nos municípios de Garanhuns, Águas Belas e Iati, expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital alagoana.
A Operação Sem Fronteiras resultou nas prisões de AUGUSTO LUCAS PINTO GOMES, BRUNO JOSÉ DA SILVA FILHO, JEAN PIERRE MALDINI, CÍCERO MAURÍCIO ALVES, RONALDO LUIZ RUFINO DA SILVA, JOSÉ WILDSON GOMES DE ALBUQUERQUE, JOÃO PAULO DOS SANTOS, LEANDRO ARISTIDES BENTO, IVAN PATRICK TEIXEIRA DE SOUZA e WESLEY FERREIRA QUIRINO DOS SANTOS. Além do vereador local MÁRIO DOS SANTOS CAMPOS JÚNIOR, conhecido como “Marinho da Estiva”, apontado como responsável pela lavagem de dinheiro,  do líder do grupo, CÍCERO DOS SANTOS CAMILO – conhecido na região como “Ciço Grude”, da  sua esposa, LUCIANA FERRO LIMA, que trabalhava como contadora do esquema e um tenente da polícia militar pernambucana, DJOOU SILVA DE CARVALHO..
No sistema prisional pernambucano já se encontravam: JEFERSON RICARDO DE OLIVEIRA SANTOS, GILSON BARBOSA XAVIER, ADVANILSON PEREIRA DA SILVA, ERLAN DE ARAÚJO NOVAES, PAULO CÉSAR PEREIRA DE ARAÚJO e JOSÉ ADEMILTON OLIVEIRA CONSTANTINO.

O grupo mantinha uma estrutura bem organizada e de acordo com as investigações era responsável por 90% dos roubos de carga cometidos nas estradas alagoanas, inclusive, agindo com extrema violência.
Um integrante da organização, por meio de delação premiada, revelou que após praticarem o delito, os assaltantes escondiam e vendiam os produtos subtraídos em território pernambucano.
Após os procedimentos legais realizados na 18ª DESEC- Garanhuns, todos os envolvidos foram ouvidos por um juiz, que após o intenso trabalho, decidiu liberar mediante pagamento de fiança: RONALDO LUIZ RUFINO DA SILVA, JOSÉ WILDSON GOMES DE ALBUQUERQUE e BRUNO JOSÉ DA SILVA FILHO.   
E determinou que os demais que fossem recolhidos ao Sistema Prisional, entre os presos apenas 01 (um) foi recolhido à Cadeia Pública de Saloá, devido ao fato de existir um Mandado de Prisão em desfavor do mesmo, expedido por uma comarca do estado de São Paulo.
Porém de acordo com o advogado de defesa dos envolvidos JOÃO PAULO DOS SANTOS e LEANDRO ARISTIDES BENTO,  o Dr. Anderson Bruno  Barros, o processo  foi suspenso temporariamente devido ter excedido o prazo para conclusão do inquérito.
Diante dos fatos o advogado Dr. Anderson Bruno Ramos, enviou a justiça o requerimento solicitando o relaxamento das prisões dos seus clientes, tendo o juiz do caso, acatado o pedido, que gerou efeito em prol de todos os envolvidos, vindo decidir por medida cautelar diversas das prisões.

O Dr. Anderson Bruno e os demais advogados, aguardam o inicio do expediente do Fórum, que só trabalha no período da tarde, para dar andamento aos trâmites processuais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário