Translate

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

OPOSIÇÃO DE CAETÉS VOLTA A ENXUGAR GELO


Há exatos quatro anos, após a derrota nas urnas do então candidato a prefeito Sampainho (PSB), filho do ex-prefeito, Zé da Luz, a oposição de Caetés, de forma desesperada, entrou com um pedido de cassação de mandato do recém-eleito prefeito na época, Armando Duarte (PTB).

Na reclamação, os socialistas alegaram abuso do poder econômico, e apresentaram documentos e gravações de moradores de diferentes sítios do município, revelando ter recebido algum benefício para votar em Armando Mas segundo a defesa do prefeito eleito em 2012,  tudo não passou de uma “armação” da oposição, fato que foi comprovado após apuração da justiça,  que deu ganho de causa a Armando Duarte para exercer o seu mandato de prefeito. 

Agora, quatro anos depois, a mesma oposição derrotada nas urnas, por 129 votos, no pleito 2012, voltou a perder para Armando Duarte, por uma diferença de 2.595 votos e novamente, não aceitando o resultado das urnas, vai à justiça eleitoral, levanta suposições e questionamentos frágeis na tentativa de anular uma eleição legitimada pela democracia e pela esmagadora vontade do povo de Caetés.  

Com transparência e honestidade, marcas que balizam a conduta do prefeito de Caetés, informamos para tranquilidade de todos os seus eleitores, que as suas prestações de contas do pleito eleitoral 2016, questionadas na justiça pela “oposição barulhenta”,  foram realizadas com sucesso dentro do prazo estipulado e já estão na justiça eleitoral e que, todo e qualquer tipo de novos esclarecimentos serão fornecidos sempre que se fizer necessário, pois, a “Coligação Caetés no Rumo Certo” que elegeu Armando Duarte,   declarou todos os gastos de campanha nas suas prestações de contas aos órgãos de fiscalização da justiça eleitoral. 

IMPUGNAÇÃO -  Por outro lado, informamos que foi dada entrada no pedido de impugnação da prestação de contas finais de BENEDITO SEVERINO DA SILVA e JOSÉ GERSON FERREIRA DE MIRANDA, candidatos a prefeito e vice-prefeito pela coligação opositora “Frente Popular de Caetés”, pois, dentro das determinações legais, verificou-se que,  a citada coligação foi quem não apresentou corretamente as suas prestações de contas de final da campanha para a Justiça eleitoral. 

Observou-se a total ausência de informação de entrada e saída de recursos para custear até o próprio material de campanha, revelando assim, a utilização de recursos financeiros não contabilizados, configurando desta maneira, atos ilícitos.       

Depois de uma campanha rasteira por parte da oposição de Caetés, onde não faltaram provocações, acusações levianas e até a divulgação de pesquisa falsa, sem autorização da justiça eleitoral, fato que enganou seu próprio eleitorado, levando inúmeras pessoas a fazer apostas e consequentemente perder carros, casas, terrenos e muito dinheiro, agora, tentam novamente levantar acusações sem consistência judicial e novos fatos mentirosos, visando tão somente o acirramento dos ânimos entre os munícipes e uma falsa esperança, como já assistimos há quatro anos. 


Neste momento o adágio popular “O feitiço volta-se contra o feiticeiro” cai como uma luva para a oposição de Caetés. 

Por: Wando Pontes
*Wando Pontes é radialista, marqueteiro político e Secretário de Cultura de Caetés.

Fonte: http://robertoalmeidacsc.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário